Translate

sábado, 22 de maio de 2010

A Comunhão Começa na Família

Maio é o mês tradicionalmente separado para a família. Neste post, associamos a ênfase na família a um dos propósitos bíblicos da Igreja – a Comunhão.

A Bíblia usa várias figuras para descrever a Igreja. Uma delas está em Efésios 2.19: Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus; a família é mencionada por Paulo quando ele trata das relações entre os papéis sociais desempenhados na Igreja de Éfeso. Como Igreja somos uma comunidade que busca a unidade, em meio às várias diversidades que nos caracterizam.

Mas, quais as implicações de pensar na Igreja como família?

Pensar na Igreja como família, implica em reconhecer que temos um Pai – Deus – ao qual devemos respeito e obediência.

Pensar na Igreja como família, implica em reconhecer que temos um Pai em comum e que isto nos faz irmãos; nesta condição devemos amar e cuidar uns dos outros, apesar, e por causa, das nossas diferenças e falhas.

Pensar na Igreja como família, implica em reconhecer que individualmente, e coletivamente, devemos trabalhar na promoção da comunhão, que está alicerçada – como propõe Dietrich Bonhoeffer, em seu livro Vida em Comunhão – no amor de Deus, revelado em Jesus Cristo, e não em nossas preferências e escolhas pessoais.

A Comunhão Começa na Família, é uma verdade que deve nos impulsionar a viver os valores cristãos a partir das nossas famílias, assumindo as responsabilidades como filhos e filhas de Deus na promoção dos ideais do Evangelho, começando no lar, e se estendendo em todos os relacionamentos.

A Comunhão Começa na Família, é uma verdade que deve nos impulsionar a experimentar na Igreja, o sentimento de pertencer um ao outro, existente na família, e a consciência de que, na Igreja somos irmãos de sangue, sangue de Jesus Cristo, e esta deve ser a base sustentadora da nossa comunhão.

Que Deus, em sua infinita bondade e misericórdia, nos faça exercitar a comunhão cristã a partir de nossas famílias e que assim contagiemos a Igreja, e as várias comunidades nas quais estamos inseridos.
Postar um comentário