Translate

domingo, 29 de dezembro de 2013

LÍDIA BRAIA DESCANSOU NO SENHOR



O SENHOR deu o SENHOR tomou, 
bendito seja o nome do SENHOR. 

Lídia Maria de Oliveira Braia, nossa querida irmã, Líder do Departamento Infantil da nossa Igreja (estava afastada por conta de enfermidade) descansou de suas dores hoje 29 de dezembro de 2013 às 09:40h no Hospital Albert Sabin, onde estava internada.

O Culto de Gratidão por sua vida está previsto para acontecer no Santuário da Igreja Presbiteriana Memorial, à Rua Hercliano Pires, 201, Piedade, Jaboatão dos Guararapes - PE (terceira paralela da Avenida Armindo Moura, próximo ao COMAR 2). Início previsto para às 08:30h desta segunda, 30 de dezembro de 2013.

O sepultamento está previsto para amanhã no cemitério de Santo Amaro, às 11:00h.

Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente. Crês isto?
(João 11.25, 26)

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013



No último domingo de 2013, venha cultuar a Deus conosco!

Às 09h. Culto de Adoração e Louvor
Mensagem Bíblica “Fé” – Hebreus 11.6 – Rev. Alfrêdo Oliveira

Às 18h. Culto de Adoração e Louvor 
com Recepção de Novos Membros
Mensagem Bíblica “Orientações para o Início de uma Nova Etapa” – Deuteronômio 32:44-47 – Rev. Rodrigo Castro

IGREJA PRESBITERIANA MEMORIAL
Rua Hercliano Pires, 201, Piedade – Jaboatão dos Guararapes – PE

(terceira paralela da Avenida Armindo Moura)

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

VENHA CELEBRAR O NATAL CONOSCO!





Domingo, 22 de dezembro de 2013, 

Cultos Natalinos:

às 09h. com a Mensagem Bíblica “O Natal na Vida de Simeão” – Lucas 2:25-35 - Rev. Rodrigo Castro 

às 18h. Com a Mensagem Bíblica   “Emanuel” – Isaías 7.14  
Rev. Alfrêdo Oliveira 

e a apresentação da cantata 

"Deus Vindo a Nós" 
com o Coro Memorial 

Após o Culto Noturno teremos a inauguração do Salão Social 
com uma deliciosa Ceia de Natal.

Igreja Presbiteriana Memorial
Rua Hercliano Pires, 201, Piedade, Jaboatão dos Guararapes-PE
(terceira paralela à avenida Armindo Moura)


VENHA COM SUA FAMÍLIA E TRAGA CONVIDADOS!

As fotos do natal também podem ser acessadas no link: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.602157446517259.1073741852.100001690288382&type=1&l=cb16b343a2 

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

O NATAL E OS NATAIS




Chega-se às vésperas do período em que se comemora o nascimento de Jesus Cristo, e com ele várias expressões comemorativas cristãs tomam forma. O Natal traz consigo um clima que contagia pessoas e comunidades, nos ambientes autodenominados cristãos. Mas, existe o Natal, e os “natais”– expressões que tentam traduzir o espírito da época.

1.O Natal estético – é quando se vê a beleza do Natal, expressa através do belo, da decoração das casas, igrejas, cidades. Até esteticamente o Natal deve apontar somente para Jesus Cristo, e para a beleza do sumo bem.

2.O Natal artístico – é manifesto através do uso das artes. Neste período se vê belíssimas cantatas, dramatizações, poesias, painéis. As manifestações artísticas no ambiente cristão não devem buscar o aplauso do público para o palco e “artistas”, mas deve levar a adoração a Deus no altar.

3.O Natal litúrgico – é a ocasião em que as igrejas celebram cultos especiais, e até alguns membros anuais, ou festivos, aparecem... o Natal cristão deve ser celebrado todos os dias na liturgia da vida em Cristo, por Cristo e para Cristo.

4.O Natal capitalista – é vivenciado na prática do consumismo, onde é incentivada a busca por presentes caros, e a ocasião é usada muitas vezes para expressar o poder aquisitivo de quem presenteia. Outro perigo é tentar compensar com presentes a ausência do dia-a-dia. A questão não é o simples comprar, mas as motivações para fazê-lo.

5.O Natal solidário – é celebrado por aqueles e aquelas que percebem que a síntese do Natal é a expressão do amor de Deus pela criação, que deve contagiar os seres humanos em suas vivências diárias, a ponto de levá-los a adorar ao Senhor, e agir solidariamente uns para com os outros. Natal é tempo de lembrar que o maior presente – Jesus Cristo – foi dado por Deus aos humanos, e que antes de dar presentes, deve-se doar-se em amor a Deus e ao próximo.

Pensar em o Natal e os “natais” é avaliar os vários “natais” que são promovidos e avaliar o quanto eles apontam para Jesus Cristo, e contribuem para a maior glória de Deus.

Pensar em o Natal e os “natais” é redescobrir o espírito do Natal, como uma celebração missionária, fraterna e solidária. Missionária, porque o nascimento de Jesus Cristo implica no cumprimento de uma missão, e que impulsiona cada cristão a cumprir a sua: Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio. (João 20.21); Fraterna porque à medida que se reconhece Deus como Pai, e há uma percepção que a humanidade foi criada à Sua imagem, segundo a Sua semelhança, deve-se refletir sobre o esvaziamento de Deus ao assumir humildemente a humanidade em Jesus Cristo, para que uma vez mais cada ser humanos se perceba como irmão do próximo feito igual; Solidária, percebendo e combatendo as diferenças discriminatórias, de qualquer forma que se apresentem, pois são pecaminosas à medida que marginalizam pessoas, e ofendem a Deus. Faz-se necessário recuperar a prática de Jesus Cristo – ser solidário com os que sofrem.

Pensar em o Natal, e os “natais”, é resgatar o Espírito fraterno de Deus em Cristo, enviado à humanidade.

(O texto acima foi adaptado do publicado originalmente nO Jornal Batista Pernambucano, Novembro e Dezembro, 2009, e neste blog em http://alfredooliveiras.blogspot.com.br/2009/11/o-natal-e-os-natais.html).



segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

O Mistério do Natal


DIA DA BÍBLIA

Hoje além de comemorarmos o Dia da Esposa de Pastor, comemoramos também o Dia da Bíblia.

“Celebrado no segundo domingo de dezembro, o Dia da Bíblia foi criado em 1549, na Grã-Bretanha pelo Bispo Cranmer, que incluiu a data no livro de orações do Rei Eduardo VI. O Dia da Bíblia é um dia especial, e foi criado para que a população intercedesse em favor da leitura da Bíblia. No Brasil a data começou a ser celebrada em 1850, quando chegaram da Europa e EUA os primeiros missionários evangélicos. Porém, a primeira manifestação pública aconteceu quando foi fundada a Sociedade Bíblica do Brasil, em 1948, no Monumento do Ipiranga, em São Paulo (SP).

E, graças ao trabalho de divulgação das Escrituras Sagradas, desempenhado pela entidade, o Dia da Bíblia passou a ser comemorado não só no segundo domingo de dezembro, mas também ao longo de toda a semana que antecede a data. Desde dezembro de 2001, essa comemoração tão especial passou a integrar o calendário oficial do país, graças à Lei Federal 10.335, que instituiu a celebração do Dia da Bíblia em todo o território nacional.

A Bíblia é o tesouro perfeito da Revelação que Deus fez de si mesmo aos seres humanos, portanto alimente-se espiritualmente e leia a Bíblia diariamente, viva de acordo com o que ela ensina.


Soli Deo Gloriæ! 

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial em 08/12/2013)

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Criança a alma do negócio



No próximo domingo a Classe de Casais estará assistindo ao filme "Criança a alma do Negócio", que mostra como no Brasil o público infantil se tornou alvo preferencial da publicidade. As crianças são bombardeadas por mensagens que estimulam o consumo e que falam diretamente com elas.

Como cristãos não podemos ficar indiferentes a isso.

Venha, traga convidados e participe!

Fraterno abraço
--
Alfrêdo Oliveira

IGREJA PRESBITERIANA MEMORIAL
Rua Hercliano Pires, 201, Piedade - Jaboatão dos Guararapes - PE
(terceira paralela da Avenida Armindo Moura, próximo ao COMAR 2)

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Natal Memorial


Aproxima-se o mês de dezembro, e com ele as comemorações natalinas, e a nossa Igreja programou várias atividades, são elas:

*05/12 às 19:30h. Cantata “Deus Vindo a Nós”, Coro Memorial –
Conj. Hab. Sgto Walder Xavier de Lima (Vila Militar)

06/12 às 08:30h. e 14:30h. Cantata “O Mistério do Natal”, Coro Infantil – ACBV

*10/12 às 17:30h Cantata “Deus Vindo a Nós”, Coro Memorial –
Estação Central do Metrô Recife

14/12 às 19:30h. Cantata “Deus Vindo a Nós”, Coro Memorial –
Multi Shopping Sul Barra de Jangada

15/12 às 18:00h. Cantata “O Mistério do Natal”, Coro Infantil – IPM

*21/12 às 19:30h. Cantata “Deus Vindo a Nós”, Coro Memorial –
Praça do Jordão

22/12 às 18:00h. Culto de Natal e Cantata “Deus Vindo a Nós”, Coro Memorial – IPM

22/12 às 20:00h. Ceia de Natal, Salão Social da IPM


*Aguardando confirmação
Essas programações estão sendo cuidadosamente preparadas, assuma um compromisso de oração para que o Senhor fortaleça os Coros, e demais equipes envolvidas..

Marque em sua agenda esta datas, convide familiares e amigos para estarmos juntos celebrando o Natal de Jesus Cristo. Apoie com sua presença pelo menos uma apresentação externas.

Soli Deo Gloriæ!

sexta-feira, 8 de novembro de 2013



O  Trabalho Feminino da IPB, iniciado em 11 de novembro de 1884, em Recife, completa 129 anos, e a Federação do Trabalho Feminino do Presbitério Metropolitano da Cidade do Recife (PMCR) juntamente com a Sociedade Auxiliadora Feminina da Igreja Presbiteriana Memorial realizarão um Culto em Ação de Graças:

Local - Igreja Presbiteriana Memorial 
Rua Hercliano Pires, 201, Piedade - Jaboatão dos Guararapes - PE
(terceira paralela à Avenida Armindo Moura)

Horário - 18:00h.
Pregador - Rev. Alfrêdo Oliveira 

Venha e traga convidados para juntos agradecermos ao Senhor!

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Dia de Finados?

[Mulher visita o cemitério em Manila, nas Filipinas, para homenagear seus entes queridos no Dia de Finados 
(Foto: Cheryl Ravelo/Reuters)]

27E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo, 28assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação. 
(Hebreus 9.27, 28)

Pelo calendário brasileiro, que está povoado de feriados religiosos, embora a Constituição Federal afirme que o país é laico (art. 5º), ontem foi “comemorado” o “dia de finados”. Feriado que sugere um dia de homenagem e orações por todos os mortos.

A Confissão de Fé de Westminster (CFW XXI, 4) embasada biblicamente ensina: A oração deve ser feita por coisas lícitas e por todas as classes de homens que existem atualmente ou que existirão no futuro; mas não pelos mortos, nem por aqueles que se saiba terem cometido o pecado para a morte. Ref. Mat. 26:42; I Tim. 2:1-2; João 17:20; II Sam. 7:29, e 12:21-23; Luc. 16:25-26; I João 5: 16. Recomenda-se a leitura dos capítulos XXXII e XXXIII da CFW que ensinam respectivamente sobre “Do Estado Do Homem Depois Da Morte E Da Ressurreição Dos Mortos” e “Do Juízo Final” para uma melhor compreensão da doutrina reformada.

Além dos aspectos religiosos envolvidos, existe o viés econômico que impulsiona vendas nas floriculturas e casas do ramo, além de toda a logística envolvida (cemitérios, reforço do transporte público. Etc).

Nas mais de 200 referências diretas aos mortos na Bíblia, não existe nenhuma fundamentação para a prática de orar por eles. Pelo contrário, em Hebreus 9.27, 28 temos alguns indicadores claros a serem lembrados:

  1. O ser humano morre uma vez. A morte põe fim a existência terrena, não havendo outras possibilidades como reencarnação, transmigração de almas, ou intervenção por orações, o que se confirma pela segunda verdade do texto, a seguir.
  2. Após a morte segue-se o juízo. Após a morte os seres humanos comparecem diante do Tribunal de Cristo, para “darem conta dos seus pensamentos, palavras e obras, e receberem o galardão segundo o que tiverem feito, bom ou mau, estando no corpo.” (CFW XXXIII, 1).
  3. Cristo é Suficiente. O sacrifício de Cristo foi completo, e suficiente para a salvação dos eleitos, voltará segunda vez para buscar os seus.

Nós não comemoramos o dia de finados, nem por eles intercedemos por não encontrarmos base bíblica para tais práticas. Portanto, vivamos enquanto é dia, pois a noite vem quando ninguém pode trabalhar (João 9.4).

Soli Deo Gloriæ!


(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, 03 Nov. 2013)

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

REFORMA PROTESTANTE


Outubro é o mês em que comemoramos a Reforma Religiosa do século XVI, que mudou a Europa de então, e o mundo, cujo landmark mais famoso foi a afixação das 95 teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, pelo então monge agostiniano Martinho Lutero.

Lutero foi profundamente impactado pela leitura da Bíblia Sagrada, e ao ler Romanos 1.17 “visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé.” A intenção era despertar a Igreja para uma volta à Bíblia, abandonando as crenças e práticas não cristãs que a haviam contaminado.

Passados 496 anos, o Cristianismo carece de uma nova Reforma que o leve de volta à Bíblia. A Confissão de Fé de Westminster ensina: “Todo o conselho de Deus concernente a todas as coisas necessárias para a glória dele e para a salvação, fé e vida do homem, ou é expressamente declarado na Escritura ou pode ser lógica e claramente deduzido dela. À Escritura nada se acrescentará em tempo algum, nem por novas revelações do Espírito, nem por tradições dos homens;” (CFW, I.6). Não há lugar para acréscimos oriundos de novas revelações.

A Reforma Protestante não é apenas uma data comemorativa, mas um marco do que Deus fez, a partir da vida de homens como Calvino, Lutero, e Knox que não se amoldaram aos padrões de uma sociedade corrompida pelo pecado, nem a uma Igreja mundana e carnal.

A melhor forma de celebrarmos a Reforma é permanecermos fiéis às Escrituras Sagradas, rejeitando a secularização que bane o sagrado do quotidiano, a pluralização religiosa que nega a unicidade de Cristo, e o sincretismo religioso que associa várias crenças em um amálgama onde não há lugar para um Deus Soberano, e onde o personalismo de “gurus carismáticos” estabelece “as verdades” em detrimento da Verdade.

Reafirmemos nossa identidade reformada, nos mantendo fiéis a Deus, à Bíblia, e aos ideais dos Reformadores.

Soli Deo Gloriæ!

(Publicado no Boletim Dominical da IPM, 27 de Outubro de 2013)

domingo, 20 de outubro de 2013

REVERÊNCIA E SANTO TEMOR


Por isso, recebendo nós um reino inabalável, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus de modo agradável,
com reverência e santo temor; (Hebreus 12.28)

Adoração requer reverência e santo temor. Precisamos relembrar e obedecer a esta orientação bíblica, uma vez que vivemos um tempo de adoração epidérmica onde os altares foram substituídos por palcos; os liturgos por animadores de auditório; a centralidade da Palavra pela autoajuda; a reverência pela eferverscência carnal; o senso do divino e majestoso pelo intimismo desrespeitoso, e pela erotização do culto.

A seguir algumas dicas de como cultivar a reverência e santo temor ao Senhor nos cultos:

1. Frequência. Participe dos cultos públicos, pois é um grande privilégio, e um ato de obediência ao Senhor que nos concede sete dias e requer um dia para o seu louvor, serviço e adoração. Não guardar o dia o Senhor e usá-lo para outras atividades é ato de desobediência.

2. Pontualidade. Chegue à hora, ocupe os primeiros lugares e participe ativamente de todas as partes do Culto. Se não nos atrasamos para compromissos que julgamos importantes, como podemos nos atrasar para um Encontro com o Senhor dos Senhores, Rei dos Reis?

3. Permanência. Permaneça no Santuário, e evite ausentar-se, quebrando a adoração pessoal e comunitária;

4. Comunhão. É expressa na unidade em Adoração: em pé, sentado (considerando as limitações físicas de cada um), de acordo com as orientações do boletom e do dirigente; cantando tanto hinos quanto cânticos; ajudando visitantes, novos crentes, e crianças a participarem do Culto;

5. Trajes decentes. É preciso tomar cuidado, nem tudo o que está na moda é digno de ser usado por pessoas que servem a Deus. E ao adorarmos ao Senhor, devemos oferecer sempre o nosso melhor.

Cultivemos uma atitude de reverência e santo temor.


Soli Deo Gloriæ!

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, 20 Out. 2013)

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Minimum Minimorum



Minimum minimorum é uma expressão latina que significa o menor dos menores, o mínimo dos mínimos, e é aplicada quando se quer destacar o mínimo apresentado em alguma situação.

Trazer essa expressão para uma reflexão sobre a vida cristã é um tanto desconfortável porque, como cristãos nos percebemos imerecedores da graça de Deus que nos atingiu de forma total, quando nós estávamos separados do Senhor (Rm. 3.23; 6;23; 5.8). Era de se esperar que houvesse um profundo senso de gratidão ao Senhor por tudo o Ele tem feito, faz, e continua fazendo.

Entretanto, a realidade de um cristianismo nominal, e sem compromisso nos obriga a pensar sobre o minimum minimorum na vida cristã, e o fazemos considerando seu aspecto comunitário. Comunitário, porque não trataremos da devoção pessoal, mas corporativa, eclesial.

Qual seria o minimum minimorum do exercício da fé cristã em sua dimensão comunitária?

É possível que o mínimo dos mínimos que se deva esperar de uma igreja cristã, seja a guarda do dia do Senhor (Êx. 20.8-11 e CFW, XXII – Do Culto Religioso e do Domingo). A questão é que na atualidade a observância deste mandamento tem sido sistematicamente negligenciada, quando membros de igrejas sequer frequentam os seus cultos, uma vez que usam o domingo para outras atividades.

O minimum minimorum seria, esperar de cada membro da Igreja, a guarda do dia do Senhor expressa na mínima atitude de participação, frequência e pontualidade aos Cultos Dominicais. Menos que isso é afrontar a Deus, que requer de nós a guarda de pelo menos um dia, e o que se observa é a relutância em oferecer algumas horas.

O problema em oferecer o minimum minimorum é que minimum est nihilo proximum isto é: o mínimo é próximo de nada. Oferecer o mínimo é oferecer quase nada.

Louvo a Deus pela vida dos irmãos e irmãs, que a cada domingo comparecem aos cultos, em obediência ao mandamento do Senhor, para que juntos exercitemos a adoração, confissão, dedicação, proclamação e comunhão para a glória de Jesus Cristo. Oro ao Senhor para que aqueles que não o fazem, sejam despertados pelo Espírito Santo para fazê-lo.

Soli Deo Gloriæ!



(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, 29 de setembro de 2013)

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

DOMINGO NA MEMORIAL,

Venha celebrar conosco!
08 de setembro de 2013

09:00h. Culto Cívico - Vamos juntos orar pelo Brasil!
Salmo 33.12 "Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor, e o povo que ele escolheu para sua herança."

18:00h. Culto de Louvor e Adoração
João 13.34, 35 "Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis.
Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros."


segunda-feira, 2 de setembro de 2013

SERVIR COM ALEGRIA

Servi ao SENHOR com alegria; e entrai diante dele com canto.
(Salmo 100.2)

O Senhor nos predestinou, chamou e justificou (Romanos 5.30), e um dos grandes privilégios que temos é a oportunidade de servi-lo de múltiplas  formas e maneiras (1 Pedro 4.10).

Servimos ao Senhor através do Culto Divino, quando devemos adorá-lo conforme prescrito em Sua Santa Palavra: em espírito e em verdade (João 4.23), através de um culto racional (Romanos 12.2), e com ordem e decência (1 Coríntios 14.40).

Servimos ao Senhor através das várias atividades eclesiásticas nos departamentos e nas organizações internas, que são forças de integração da Igreja, em atividades e eventos, nos programas e programações, e atendendo a cada convocação feita para o serviço da nossa comunidade de fé.

Servimos ao Senhor, quando prestamos serviço à sociedade testemunhando em práticas, atitudes e posturas, os valores cristãos que declaramos professar, ao tempo que promovemos a dignidade humana e justiça social.

Mas, a grande questão não é o envolvimento em várias atividades, que podem se traduzir em um ativismo estéril. Nosso alvo deve estar sintonizado com espírito do salmista quando disse: “Servi ao SENHOR com alegria; e entrai diante dele com canto”.

Somos desafiados a servir com alegria e entrar sempre diante dEle com louvor nos lábios. Não podemos servir com pesar, por obrigação, ou constrangidos por qualquer outro sentimento que não o amor de Cristo (2 Coríntios 5.14).

Servir ao Senhor é um privilégio, e uma oportunidade de exercitar os dons e habilidades que Ele nos tem dado, e nenhum membro da Igreja deve privar-se dessa grande honra. Que como tal, deve ser encarada com temor, responsabilidade e dedicação.

Louvemos ao Senhor por aqueles, e aquelas, que têm servido ao Senhor com alegria, e se apresentado diante dEle com louvores.

Deus está agindo, junte-se a Ele.

Soli Deo Gloriæ!

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, em 01 de setembro de 2013)


sábado, 17 de agosto de 2013

Compromisso Com Deus


Compromisso é uma palavra que está em desuso em uma sociedade relativista como a da atualidade, e compromisso com Deus é uma realidade cada vez mais distante em um ambiente que experimenta um secularismo crescente, que está invadindo até as igrejas cada vez mais distantes da Bíblia e dos valores do Evangelho – igrejas cheias de pessoas vazias – que declaram adesão religiosa, sem experimentar conversão genuína, fruto da regeneração operada pelo Espírito Santo.

Compromisso com Deus é um desafio diário para cada cristão e cristã, e uma necessidade para a saúde da Igreja.

Compromisso como desafio diário, é a percepção que em cada momento, através de pensamentos, atitudes, palavras e ações é mister viver o Evangelho. Nos relacionamentos diários – sejam familiares, acadêmicos ou profissionais – o compromisso com Deus deve se fazer sentir, o que não se restringe a algumas horas dominicais, mas, alcança toda a vida, e a vida toda.

Compromisso com Deus tem a ver com a saúde da Igreja. Deus acrescentou cada pessoa à Igreja com um propósito, um objetivo, e para tanto distribuiu dons. Quando qualquer membro do Corpo se omite, demonstra falta de compromisso com o Senhor e ainda sobrecarrega aqueles, e aquelas, que permanecem fiéis, muita vezes com sacrifícios e exauridos pela sobrecarga.

O Compromisso com Deus deve ser evidenciado na vida pessoal de cada um, e na vida comunitária. Cada pessoa que foi encontrada por Jesus Cristo, deve encontrar o seu lugar de serviço na Igreja.

Você é discípulo, e discípula, de Jesus Cristo? Qual o compromisso que tem com Ele? Como esse compromisso se expressa na vida da Igreja? Encontre seu lugar de serviço, e sirva com dedicação e compromisso.

Soli Deo Gloriæ!

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial
em 18 de Agosto de 2013)

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Marcha por um BRASIL saudável



Peço seu apoio, presença e mobilização no sentido de apoiar a "Marcha Por Um Brasil Saudável", que será um dos eventos comemorativos do aniversário da ACBV - Academia Cristã de Boa Viagem.

Data: 31 de agosto de 2013, 

Horários:
8h. Concentração no Parque Dona Lindu;
8h30 Oração e cântico do Hino Nacional, seguido de deslocamento pela Avenida Boa Viagem até a unidade I da ACBV

Essa Marcha não terá coloração político-partidária, incentivamos que sejam confeccionadas faixas identificando as organizações participantes (Igrejas, Presbitério...), e contendo versículos bíblicos que falem sobre esperança.

Vamos marcar presença!

sábado, 10 de agosto de 2013

DIA DO PRESBITERIANISMO NACIONAL


O trabalho missionário presbiteriano no Brasil começou em 1859. Foi iniciado por Ashbel Green Simonton, um jovem de 26 anos, diplomado pelo Princeton College (hoje Princeton University) e pelo Seminário Teológico de Princeton. Ele chegou ao Rio de Janeiro em 12 de agosto de 1859. Por esta razão esta foi a data escolhida como o Dia do Presbiterianismo Nacional.

Nos primórdios de sua estadia no Brasil, não sabendo ainda falar o português, Simonton foi pastor para ingleses, escoceses, irlandeses e americanos, residentes em nosso país. Porém, já no dia 22 de abril de 1960, dirigiu o primeiro trabalho em português: uma Escola Dominical, com 5 pessoas : três crianças e duas moças. E, no dia 20 de janeiro de 1862, Simonton organizou a primeira Igreja - a Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro.

Sua carreira como missionário e pastor foi entrecortada por grandes alegrias e muitas tristezas. Em pouco tempo chorava a morte de sua mãe. Logo depois alegrou-se ao casar com Helen Murdoch Simonton. No dia do nascimento de sua única filha, escreveu em seu diário: "a taça da minha felicidade está cheia", porém nove dias depois, morria sua esposa.

O sofrimento teve o efeito de impulsioná-lo com mais vigor ao trabalho missionário. Levou a mensagem do Evangelho para o interior do país. Organizou mais três Igrejas, criou o jornal "Imprensa Evangélica" (1864), organizou o primeiro Presbitério (o do Rio de janeiro - 1865), participou da ordenação do 1º pastor presbiteriano brasileiro (o ex-padre José Manuel da Conceição - 1865) e fundou o Seminário Primitivo (no Rio de Janeiro - 1867).

Aos 34 anos de idade morreu vitimado pela febre amarela. Seu mistério foi curto, mas profícuo.O trabalho de evangelização que iniciou, continuou, e muitas e muitas outras Igrejas foram organizadas em todo o Brasil. Louvamos a Deus pela vida de Simonton e pela existência e crescimento da nossa querida IPB.

(Extraído do site da SAF – Sociedade Auxiliadora Feminina, acessado em 06/08/2013 às 10:10h  http://www.saf.org.br/sugestao_programas/dia_presbiterianismo_nacional.php3 
e publicado no Boletim Dominical da IPM em 11 Ago. 2013)


sexta-feira, 2 de agosto de 2013

PRIMEIRO DOMINGO DE AGOSTO DE 2013



Caríssimos irmãos e irmãs,

Agosto chegou e com ele começamos o segundo semestre, rogando a Deus Suas ricas bênçãos, ao tempo que agradecemos aquelas que temos recebido até aqui.

Escrevo para lembrar que este semestre começa a todo vapor, e desejo ver a participação e envolvimento de cada membro da IPM nas várias atividades que teremos, a começar deste final de semana:

03 Ago. 2013 - Sábado 09:00h. Abertura do Congresso;
04 Ago. 2013 - Domingo 07:00h. Jejum e Oração;
04 Ago. 2013 - Domingo 09:00h. Encerramento do Congresso;
04 Ago. 2013 - Domingo 09:30h. Culto com Celebração da Santa Ceia;
04 Ago. 2013 - Domingo 18:00h. Culto de Adoração e Louvor.

Grande abraço,

terça-feira, 30 de julho de 2013

I Congresso Infantil


Jesus o “Eu Sou”

João 8.23-28

Quem é Jesus Cristo? Jesus afirmou que era o “Eu Sou”. Ele assume a expressão proferida no episódio da sarça ardente, que tem grande significado e estabelece a diferença entre Deus e os “deuses”. João escrevendo em grego, traduz as palavras ditas por Jesus Cristo, usando as mesmas usadas pela Septuaginta (LXX) ao traduzir Êxodo 3:14. Em João temos uma alta Cristologia, demonstrada desde o prólogo do Evangelho.

A expressão “Eu Sou” aparece 24 vezes no Quarto Evangelho: 17 seguida por um predicado claro, 3 o uso não se enquadra em uma categoria clara, 7 em sentido "absoluto"... ἐγώ εἰμι (8:24; 8:28, 8:58; 13:19; 18:5; 18:6; 18:8).

1. Jesus o “Eu Sou” Além do natural (v. 23-24)
Jesus afirmou que não era deste mundo, e quem não cresse nele morreria em seus pecados. Precisamos crer em Jesus para não morrer em pecado. A morte entrou na humanidade através de Adão, a vida através de Jesus Cristo, a distância entre a morte e a vida só pode ser percorrida com a fé no Cristo de Deus, Jesus Cristo é o único mediador entre Deus e os homens (1 Timóteo 2.5).

2. Jesus o “Eu Sou” Mensageiro de Deus (v. 25-26)
Jesus afirmou que quem o enviou merecia confiança, Ele julgaria o mundo, e anunciaria o que ouviu. Precisamos confiar em Deus e no juízo de Cristo. Jesus o enviado de Deus que nos envia ao mundo (João 20.21). A mensagem do Evangelho permanece: Jesus Cristo é o nosso padrão! A mensagem do Evangelho é completa e alcança toda a vida humana.

3. Jesus o “Eu Sou” Que Foi Levantado (v.27-28)
Diante da incredulidade daquelas pessoas só restaria o último sinal (João 12.20ss) – a morte de Jesus Cristo. Mas, não foi o final Ele ressuscitou! A Bíblia relata a história de Jesus Cristo e a história relata a caminhada do movimento de Jesus após sua ascensão.

Jesus é o “Eu Sou”, nosso Senhor e Salvador.


Soli Deo Gloriæ!

[Publicado no Boletim Dominical da IPM, 28 Jul. 2013)




terça-feira, 23 de julho de 2013

JESUS A LUZ DO MUNDO


Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.
João 8.12
Desde a antiguidade o paralelo luz/trevas tem sido usado para exemplificar a dicotomia bem/mau. Neste contexto Jesus afirmou “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas”. O Apóstolo João destacou esta verdade – a esfera do bem. Eis alguns pontos:

1. Jesus a Luz do Mundo Que Fala às Pessoas – Ao longo do Seu ministério Jesus dirigiu-se às pessoas, comunicou-se com elas. E permanece se comunicando através da Sua Santa Palavra (João 5.39). Se alguém quer ouvir a voz de Deus consulte a Bíblia, se alguém diz falar em nome de Deus, fale de acordo com as Escrituras Sagradas.

2. Jesus a Luz do Mundo Que Deve Ser Seguida – As pessoas seguiam – e seguem – vários líderes e gurus, que conduzem a caminhos tortuosos e de morte. O grande alvo é seguir a Luz em Cristo.

3. Jesus a Luz do Mundo Que Dá a Vida – A luz é essencial à vida na esfera biológica, e a Luz de Cristo é fundamental para a saúde espiritual. Vida em Cristo é uma modalidade de vida plena (João 10.10), vida participante do Reino de Deus. Estar nas trevas é andar sem Jesus Cristo, por caminhos que conduzem à morte eterna. Estar na luz é andar com Jesus em quem há vida.

Que Deus nos abençoe e que Seu Espírito ilumine o nosso espírito para que iluminados, iluminemos o mundo.

Soli Deo Gloriæ!

(Publicado no Boletim Dominical da IPM, 21 Jul. 2012)


domingo, 14 de julho de 2013

Bênçãos e Responsabilidades


No último final de semana celebramos o aniversário da nossa Igreja. Foram três belíssimos cultos – com um número expressivo de presentes, templo lotado nas duas noites – para honra e glória do Senhor. Bênçãos do Senhor!

Por outro lado, estamos na metade de 2013, e é tempo de refletirmos sobre o que idealizamos para este ano, e o que foi feito em nossas vidas, em nossas famílias, em nossa Igreja.

Bênçãos e Responsabilidades é um convite à reflexão sobre o que Deus tem feito entre nós. Como servos fiéis precisamos identificar a ação de Deus a partir dos mínimos detalhes em nossas vidas, e agradecer-lhe pela Sua misericórdia. Bênçãos devem impulsionar-nos a uma maior dedicação, e um maior envolvimento com a Igreja, sociedades internas, ministérios, e na prática da comunhão diária.

Bênçãos e Responsabilidades é um convite à reflexão sobre o que temos feito com as bênçãos recebidas. Elas implicam em responsabilidade para administrá-las. Precisamos ser bênçãos! Elas são dadas para que as compartilhemos uns com os outros. Somos abençoados para abençoar.

Bênçãos e Responsabilidades é um convite à reflexão sobre o porquê de Deus responder não em algumas circunstâncias. A questão é: quais os propósitos do Senhor? O que Ele quer ensinar quando responde negativamente, ou nos priva de algo? Em oração precisamos aprender também com as bênçãos não recebidas, pois à luz de Romanos 8.28 Ele as faz convergir para o nosso bem: “E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” Deus tem propósitos, e quando Ele diz não é para que estes propósitos sejam alcançados.

Que sejamos gratos pelas bênçãos recebidas, e atentemos para as responsabilidades delas decorrentes.  Deus nos abençoe!

Soli Deo Gloriæ!


(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, 14 Jul. 2013)

segunda-feira, 24 de junho de 2013

BRASIL ACORDOU, SÓ FALTA ACORDAR O ESTADO BRASILEIRO


O Gigante acordou! Esta frase tem sido repetida muitas vezes ao longo dos últimos dias. O fato é, que de todos os rincões deste país continental, brasileiros e brasileiras de todas as idades estão protestando não apenas contra os R$ 0,20 de aumento nas passagens, mas contra a corrupção, falta de segurança, educação de péssima qualidade, insegurança generalizada.

O Gigante acordou, e o seu nome é Brasil!

Mas, o estado brasileiro continua adormecido! 

A política do pão e circo, criada para alienar o povo,  que por tanto tempo tem surtido efeito, agora parece ter efeito invertido. O povo acordou e foi pras ruas, mas o estado continua adormecido alimentado pelo pão que nunca faltou aos poderosos, e pelo circo da FIFA que eles armaram para distrair o povo das questões que realmente importam.

O estado brasileiro precisa acordar!

A senhora Presidente está reunida em Brasília com os Governadores dos Estados e Prefeitos das capitais para discutir a melhoria dos serviços públicos. Que bom! Mas, esta reunião não seria necessária, se eles estivessem cumprindo adequadamente os papéis de gestores públicos.

O BRASIL ACORDOU, SÓ FALTA ACORDAR O ESTADO BRASILEIRO

Brasil, 24 de junho de 2013

em 24/06/2013 às 09:36h.)


terça-feira, 18 de junho de 2013

Sem articuladores? O gigante acordou!


Hoje é terça-feira, 18 de junho de 2013. Acabo de ver em um dos noticiários um representante do GDF (Governo do Distrito Federal) reclamando que estava há duas horas estava procurando um articulador para negociar, mas não havia um...

Sem articulador? Existem articuladores mas eles não estão em gabinetes, em redações de jornal, nos diretórios dos partidos políticos - embora alguns partidos busquem tirar proveito dos protestos, ou com eles se identifiquem -, os articuladores estão no meio do povo, podem ser encontrados nas ruas e praças, nas casas humildes, e no ambiente academicamente crítico das universidades, eles estão por aí.

Negociações com articuladores servem para identificar pontos nos quais podem haver concessões, no casos dos protestos que tomam as cidades brasileiras, os pontos estão postos: melhoria no transporte público; não à PEC 37 (que tira do Ministério Público o poder de investigar); que se cumpram as sentenças proferidas pelo Superior Tribunal de Justiça contra os mensaleiros; que recursos sejam investidos na educação, saúde e segurança; e não apenas em eventos como a Copa das Confederações, Copa do Mundo e similares; os protestos são contra a corrupção instalada nos vários níveis da República.

Os protestos estão nas ruas e a maioria dos protestantes se manifestam pacificamente, mas existe uma minoria que age truculosa e violentamente. Não sabemos ainda até onde os protestos chegarão, mas depois deles o Brasil poderá não ser o mesmo.

Há os que generalizam de forma simplista rotulando todos os manifestantes de vândalos, a assessoria da Presidência da República informa que a senhora Presidente considera os protestos pacíficos legítimos em uma democracia. Não basta generalizar, simplificar, criar complexidades, ou considerar os protestos normais, o que o povo brasileiro exige é que seu clamor seja ouvido, e providências efetivas sejam tomadas para mudar a situação, mudar o Brasil.

O Gigante acordou!

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Cristianismo Fácil


Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos os que acertam com ela. (Mateus 7.13, 14)

Existe um tipo de cristianismo, supostamente evangélico e fundamental, dedicado a tornar-se bastante agradável e popular, mesmo para frequentadores de igrejas indiferentes e empedernidos. Fiel à sua missão, esse cristianismo desenvolveu uma série de doutrinas que são consistentes apenas em seu efeito comum de remover os incômodos e as exigências do verdadeiro cristianismo. Estas novas doutrinas são muito populares e amplamente aceitas. E porque não seriam? Elas favorecem a aversão natural que o homem demonstra para com negar a si mesmo e, em especial, satisfazem o moderno culto do prazer.

Somente essas tendências arraigadas podem explicar a ilusão que esse tipo de cristianismo é autêntico. O próprio Senhor Jesus nos advertiu sobre isso, ao mostrar que o verdadeiro cristianismo seria difícil e impopular (“estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que há que acertam com ela” – Mt. 7.14), enquanto sua imitação seria fácil, popular e condenatória (“larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela” – Mt. 7.13). Seu cristianismo é genuíno? Ou, fácil, popular e condenatório?

Rev. Samuel Waldron

(extraído da Revista Fé Para Hoje, nº 5, Ano 2000, p. 32; 
publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial em 16 Jun. 2013)


domingo, 9 de junho de 2013

Cristo Vai Voltar! Mas, Enquanto Ele Não Vem...

Entre os judeus havia grandes expectativas com relação à primeira vinda e Jesus Cristo, e essas expectativas foram frustradas quando Cristo veio ao mundo instalando-se em uma manjedoura, e não em um palácio.
.
A Igreja aguarda o retorno do Mestre, e tem diante de si o dever de não nutrir expectativas que contrariem o espírito do Evangelho. Isto é, nosso Mestre é o Servo por excelência e nós fomos chamados para servi-lo. Embora Cristo vá voltar, nós ainda estamos na espera. Mas, enquanto Ele não vem, qual deve ser a atuação da Igreja na sociedade?

Enquanto Cristo não vem, compete à Sua Igreja, que somos nós, continuarmos desenvolvendo o ministério que Ele iniciou quando esteve pelos caminhos empoeirados da Palestina, afinal, somos o seu corpo (1 Coríntios 12.12ss).

O que Cristo fez? Ele andou por toda a parte fazendo o bem (Atos 10.38). O Evangelho pregado por Jesus Cristo era visto e experimentado por todos aqueles com os quais Ele convivia. A mensagem evangélica concretizava-se nas ações do Mestre em favor dos necessitados, e hoje deve concretizar-se em nossas ações.

O Evangelho deve ser pregado e vivido em sua totalidade, ao ser humano todo. Não é possível pregar o Evangelho, sem levar em conta a situação em que o povo vive. Estamos inseridos em uma sociedade, e é nela que o Evangelho precisa tomar forma. Compete-nos individualmente como cidadãos cristãos, e coletivamente como instituição, agirmos positivamente para que cada ser humano não seja privado de um viver digno.

A evangelização não nos isenta da responsabilidade social; pelo contrário, exige engajamento na luta por justiça social, e pela promoção da dignidade humana.

Cristo vai voltar! Mas enquanto Ele não vem que assumamos o compromisso com Deus, e com Sua Igreja, de viver e pregar o Evangelho em sua totalidade para alcançar o ser humano integralmente.

Soli Deo Gloriæ!


(Publicado no Boletim Dominical da IPM - Igreja Presbiteriana Memorial - em 09 Jun. 2013)

sexta-feira, 24 de maio de 2013

A Comunhão Começa na Família



A família é o primeiro grupo social com o qual convivemos. Criada por Deus, antes da queda, a família deve oferecer ambiente apropriado para o desenvolvimento e crescimento de cada pessoa em todas as suas dimensões.

Devemos buscar cumprir os planos de Deus para as nossas vidas, e famílias, e essa busca implica em reconhecermos as nossas limitações, o que nos ajudará a lidar com as limitações dos outros, e juntos, trabalharmos para a construção de famílias saudáveis, que criem um ambiente acolhedor para cada pessoa.

Pensando na família como o primeiro grupo social do qual participamos, percebemos que é através dela que compreendemos as regras básicas para o convívio social, e onde podemos exercitar a comunhão. Os conflitos – falta de comunhão – surgem não apenas da diferença de opiniões, mas também da dificuldade em desempenhar nossos papéis sociais, e aceitar os dos outros. Se construirmos famílias saudáveis, podemos sonhar com uma sociedade melhor.

Em uma família saudável aprendemos que diferentes podem viver em unidade quando marido e mulher administram bem os conflitos, e assim ensinam grandes lições aos filhos.

Em uma família saudável aprendemos noções de autoridade e justiça, quando pais educam os filhos com amor ilimitado e disciplina com limites claros.

Em uma família saudável aprendemos a exercitar fraternidade, quando nos relacionamos na base do amor e da compreensão.

Em uma família saudável a comunhão é vista não como um sonho distante e inatingível, mas como uma possibilidade real, que depende do empenho de cada um dos seus membros para ser alcançada.

Famílias saudáveis vivem em comunhão, não pela ausência de conflitos, mas por conseguir enfrentá-los exercitando amor que tem sua fonte inesgotável em Deus, e é suficiente para todas as ocasiões.

Que Deus, em sua infinita bondade e misericórdia, nos ajude a viver em comunhão a começar das nossas famílias e Igreja.

Soli Deo Gloriæ!

(Publicado no Boletim Dominical da IPM, 26 de Maio de 2013)

sábado, 18 de maio de 2013

Dia Nacional do Jovem Presbiteriano


Hoje a Igreja Presbiteriana do Brasil comemora o Dia Nacional do Jovem Presbiteriano, e a nossa Igreja não ficará de fora desta celebração, sendo o culto de hoje à noite oferecido a Deus em gratidão pela nossa Mocidade.

Louvamos a Deus porque temos uma Mocidade atuante, que está envolvida e presente nas várias atividades da Igreja. Nossos jovens tem experimentado um notável crescimento sob a direção do Pastor Rodrigo Castro, apoiado pela eficiente diretoria da UMP – União de Mocidade Presbiteriana – capitaneada pelo Seminarista Eduardo Montarroyos.

Entre as várias atividades desenvolvidas, destaco:
1)   EBD – a classe de jovens funciona dominicalmente, tendo 45 matriculados, e uma média de presença de 30 pessoas.
2)   Pequenos Grupos – temos atualmente 05 pequenos grupos predominantemente de jovens, tendo sido a UMP a primeira organização interna em nossa Igreja a organizar, treinar e fazer funcionar os pequenos grupos.
3)   Encontro de Jovens – este ano o primeiro encontro foi realizado no período carnavalesco, com mais de 90 participantes, sendo que 78 pernoitaram no local. O próximo Encontro de Jovens está previsto para julho, e já está sendo cuidadosamente preparado.

Nossa Juventude tem apoiado as outras organizações internas, e sempre que convocada se apresenta para o trabalho de maneira disposta e descontraída, louvo a Deus pela vida de vocês.

Que Deus em sua infinita graça e misericórdia continue abençoando os nosso jovens, fortalecendo-os no Senhor e força do Seu poder.

Soli Deo Gloriæ!

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, 19 Mai. 2013)

domingo, 12 de maio de 2013

Todo dia é Dia das Mães!


Todo dia é Dia das Mães! Reservar apenas um dia é reduzir o sentimento de amor, afeto e respeito que deve ser dedicado diariamente a essas mulheres extraordinárias que Deus colocou em nossas vidas.

Todo dia é Dia das Mães!  Lembre daquela que diariamente se preocupa com você, ora por você, e, por mais velho que você fique, ela sempre olhará você como aquele neném que um dia foi tomado nos seus braços, amado, amamentado e acalentado. Diante dela todos permanecemos crianças.

Todo dia é Dia das Mães!  Há filhos que “vencem na vida”, tornam-se profissionais bem sucedidos, intelectuais respeitados, mas que esquecem, que tiveram o apoio de suas mães, algumas vezes mulheres simples, que sonharam com o futuro dos filhos e filhas, e são privadas de desfrutar da realização dos seus sonhos.

Todo dia é Dia das Mães! Apesar dos filhos e filhas que se tornam ausentes, delinqüentes, indiferentes, encarcerados, ingratos, desaparecidos... Mas, que sempre poderão voltar aos braços daquela que os ama incondicionalmente, apesar de...

Todo dia é Dia das Mães! Quando Deus se fez carne, abençoou uma jovem mulher, de nome Maria, com a maternidade, tornando-se o seu primogênito.

Louvo a Deus pela vida da minha mãe! Mulher de fé, corajosa e lutadora, e que ao ser avó torna-se mãe duas vezes. Ao homenageá-la, homenageio todas as mães que lutaram, e ainda lutam, para o bem dos seus filhos, e filhas, e pela família.

Louvo a Deus pela mãe dos meus filhos! O seu cuidado, amor e fibra, são exemplo de fé! Ao homenageá-la, homenageio todas as jovens mães que iniciam sua caminhada maternal, e nos fazem refletir sobre a sublimidade desta tarefa.

Louvo a Deus pelas mães da nossa Igreja, que amam não somente seus filhos biológicos, mas também os filhos espirituais, e todos quantos o Senhor acrescenta. As mães da nossa Igreja compõem a SAF, que diligentemente ocupam um lugar singular em nossa historia, e que esta semana celebrou mais um aniversário cumprindo sua missão de auxiliadoras.

Parabéns, Mães! Que Deus as abençoe e recompense.

Soli Deo Gloriæ!

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, 12 Mai. 2013)