Translate

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Natal: fantasia ou realidade?

Natal... Casas decoradas, presentes trocados, o comércio investe alto no marketing e na propaganda, programações especiais acontecem nas Igrejas... o que é o Natal: uma fantasia ou uma realidade?
Por fantasia entende-se criação da imaginação, sonho, ficção. Por realidade entende-se aquilo que existe efetivamente...

Se o Natal é vivido como um momento utópico, onde as fantasias de consumo atingem seu grau mais elevado com o consentimento e incentivo expresso da sociedade e da família, levando as pessoas a gastarem em coisas desnecessárias o tão suado décimo terceiro (aqueles que têm o privilégio de tê-lo), então o Natal é uma fantasia que janeiro irá revelar... Se o Natal é vivido apenas como uma série de eventos, inclusive religiosos, que falam do neném da manjedoura, mas não compreendem a Sua missão... O Natal é fantasia.

Se o Natal é visto e vivido como um momento de doação de si mesmo e dos seus recursos, tendo em mente o exemplo dado pelo próprio Deus, que entregou o Seu Filho para resgatar a dignidade da humanidade, então o Natal é realidade. Se no Natal conseguimos, pelos olhos de Jesus Cristo, olhar para o próximo como irmão, e com a ternura de Deus o amamos como a nós mesmos, então o Natal é realidade e não apenas a fantasia de uma festa momentânea.

Para os discípulos e discípulas de Jesus Cristo, o Natal não pode ser apenas a fantasia de um momento, de uma data convenientemente marcada no calendário, e que de fato, não é a data do nascimento do de Jesus. O Natal não pode se restringir a festas passageiras, ou a amigos secretos (que algumas vezes não são nem amigos, nem secretos). O Natal precisa ser a realidade de uma vida vivida em amor, pelo amor, e no amor de Deus nosso Pai que, ao presentear-nos com Jesus Cristo, nos deu a possibilidade real de uma reconciliação entre a raça humana, o universo criado, e o Deus Criador. O Natal há de ser mais do que um momento, deve ser uma amostra do amor que sentimos de Deus, e que nos inunda e impulsiona a amar.

Natal: fantasia ou realidade? A resposta é pessoal, porque passa pela forma como encaramos a vida, a nós mesmos, o outro, a sociedade, e o próprio Deus.

Que neste Natal não sejamos iludidos e escravizados pelas fantasias, mas que possamos sentir e transmitir o amor de Deus, que é real, e que deve ser realidade em nossas vidas e na vida irmãos e irmãs pelos quais Jesus Cristo foi enviado ao mundo.


Solus Christus! Soli Deo Gloria!

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

PRIMEIRO DOMINGO



Venha participar conosco da programação do primeiro domingo de dezembro da Igreja Presbiteriana Memorial neste domingo 04/12/2014:

07h. Jejum e Oração;

09h. Celebração dos Sacramentos (Batismo e Santa Ceia), seguida de Assembléia Ordinária

18h. Culto de Louvor e Adoração com apresentação da Cantata "O Aniversário de Jesus", pelas crianças do DI - Departamento Infantil.

Igreja Presbiteriana Memorial fica à Rua Hercliano Pires, 201
Piedade - Jaboatão dos Guararapes - PE
(terceira paralela da Avenida Armindo Moura, próximo ao COMAR 2)



segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Gratidão à IPM





Registro minha gratidão a Igreja Presbiteriana Memorial por este tempo de trabalho como Pastor Auxiliar, e agora pelo privilégio de ser eleito Pastor Titular pela Assembléia da Igreja. Agradeço ao Conselho da Igreja por haver me apresentado como seu candidato; Agradeço ao Rev. Abner Assis por sua indicação ao Conselho. 

Agora é aguardar a reunião do Presbitério Metropolitano da Cidade do Recife - PMCR, que julgará a legalidade das eleições e marcará a posse. 

Em sua X Reunião Ordinária o PMCR marcou a Instalação e Posse para o domingo 28/12/2014 às 18h. Todos estão convidados.



Como dizia Calvino "Orare et labutare".

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Domingo na Memorial




Venha adorar a Deus conosco!

Vigília de Jejum e Oração às 07h. 
Culto Matinal às 9h.
Mensagem Bíblica: “Quando Deus Deseja Templos Fechados” – Malaquias 1.6-14, Rev. Alfrêdo Oliveira

EBD – Escola Bíblica Dominical, 10h.

Culto Noturno e Celebração da Santa Ceia às 18h.

Mensagem Bíblica: “Realidades Distintas” – Mateus 11.20-27, Rev. Alfrêdo Oliveira

Igreja Presbiteriana Memorial
Rua Hercliano Pires, 201, Piedade
Jaboatão dos Guararapes - PE
(terceira paralela da Avenida Armindo Moura)


Domingo, 02 de Novembro de 2014
CREDO APOSTÓLICO

                                                       

Creio em Deus Pai, Todo-Poderoso, Criador do Céu e da terra.

Creio em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor, o qual foi concebido por obra do Espírito Santo; nasceu da virgem Maria; padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu ao Hades[1]; ressurgiu dos mortos ao terceiro dia; subiu ao Céu; está sentado à direita de Deus Pai Todo-poderoso, donde há de vir para julgar os vivos e os mortos.

Creio no Espírito Santo; na Santa Igreja universal; na comunhão dos santos; na remissão dos pecados; na ressurreição do corpo; na vida eterna. Amém.




[1] Palavra  usada no grego para indicar o lugar e o estado dos mortos

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

ATITUDE


Não votei em Dilma e fiz campanha nas redes sociais contra o PT, passada a campanha, como cristão já orei pela Presidente eleita, e de forma especial pela saúde dela - desde o primeiro debate tive a impressão que ela não estava bem.

Estarei alinhado com a oposição, mas sem a filosofia do palhaço ruim que deseja ver o circo pegar fogo. Espero que a oposição fiscalize com atenção os governantes eleitos, cobrem as promessas de campanha, e tenha a nobreza de apoiar as proposições que contribuirão para o bem do povo

Torço para que o segundo mandato da Presidente seja melhor que o primeiro, e acredito que o Congresso Nacional, igualmente eleito pelo povo, pode dar sua contribuição para o bem da República, e que não deve dobrar-se às medidas provisórias vindas do Planalto.



Peço a Deus que o três poderes desempenhem os seus papéis constitucionais.



Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, miserere nobis.
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, miserere nobis.
Agnus Dei, qui tollis peccata mundi, dona nobis pacem.

Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, dai-nos a paz.


sexta-feira, 24 de outubro de 2014

DO MAGISTRADO CIVIL




I. Deus, o Senhor Supremo e Rei de todo o mundo, para a sua glória e para o bem público, constituiu sobre o povo magistrados civis que lhe são sujeitos, e a este fim, os armou com o poder da espada para defesa e incentivo dos bons e castigo dos malfeitores.
Ref. Rom. 13:1-4; I Ped. 2:13-14.

II. Aos cristãos é licito aceitar e exercer o ofício de magistrado, sendo para ele chamado; e em sua administração, como devem especialmente manter a piedade, a justiça, e a paz segundo as leis salutares de cada Estado, eles, sob a dispensação do Novo Testamento e para conseguir esse fim, podem licitamente fazer guerra, havendo ocasiões justas e necessárias.
Ref. Prov. 8:15-16; Sal. 82:3-4; II Sam. 23:3; Luc. 3:14; Mat. 8:9-10; Rom. 13:4.

III. Os magistrados civis não podem tomar sobre si a administração da palavra e dos sacramentos ou o poder das chaves do Reino do Céu, nem de modo algum intervir em matéria de fé; contudo, como pais solícitos, devem proteger a Igreja do nosso comum Senhor, sem dar preferência a qualquer denominação cristã sobre as outras, para que todos os eclesiásticos sem distinção gozem plena, livre e indisputada liberdade de cumprir todas as partes das suas sagradas funções, sem violência ou perigo. Como Jesus Cristo constituiu em sua Igreja um governo regular e uma disciplina, nenhuma lei de qualquer Estado deve proibir, impedir ou embaraçar o seu devido exercício entre os membros voluntários de qualquer denominação cristã, segundo a profissão e crença de cada uma. E é dever dos magistrados civis proteger a pessoa e o bom nome de cada um dos seus jurisdicionados, de modo que a ninguém seja permitido, sob pretexto de religião ou de incredulidade, ofender, perseguir, maltratar ou injuriar qualquer outra pessoa; e bem assim providenciar para que todas as assembléias religiosas e eclesiásticas possam reunir-se sem ser perturbadas ou molestadas.
Ref. Heb. 5:4; II Cron. 26:18; Mat. 16:19; I Cor. 4:1-2; João 15:36; At. 5:29; Ef. 4:11-12; Isa. 49:23; Sal. 105:15; 11 Sam.23:3.

IV. É dever do povo orar pelos magistrados, honrar as suas pessoas, pagar-lhes tributos e outros impostos, obedecer às suas ordens legais e sujeitar-se à sua autoridade, e tudo isto por amor da consciência. Incredulidade ou indiferença de religião não anula a justa e legal autoridade do magistrado, nem absolve o povo da obediência que lhe deve, obediência de que não estão isentos os eclesiásticos. O papa não tem nenhum poder ou jurisdição sobre os magistrados dentro dos domínios deles ou sobre qualquer um do seu povo; e muito menos tem o poder de privá-los dos seus domínios ou vidas, por julgá-los hereges ou sob qualquer outro pretexto.
Ref. I Tim. 2:1-3; II Ped. 2:17; Mat. 22:21; Rom. 13:2-7, e 13:5; Tito 3:1; I Ped. 2:13-14, 16; Rom. 13:1; At. 25:10-11; II Tim. 2:24; I Ped. 5:3.


(Confissão de Fé de Westminster CAPÍTULO XXIII, 
publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, 26 Out. 2014)

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

DIA D@S PROFESSOR@S



Nesta semana que passou, o calendário assinalou o “Dia do Professor”; homenagens foram feitas, e estes profissionais tão esquecidos e desvalorizados ao longo do ano foram lembrados, em uma sociedade que não prioriza a Educação.

Na Igreja também temos professor@s, e registramos nossas homenagens pela dedicação e empenho na arte de educar, o que fazem de várias formas e maneiras:

1)   Professor@s formalmente identificados – nosso reconhecimento àqueles que fazem do magistério sua missão profissional, e contribuem para a formação de todas as demais profissões;
2)   Professor@s sem vínculo formal – nosso reconhecimento àqueles que, transmitem conhecimentos enquanto trilham as estradas da vida, sem necessariamente estarem em ambiente escolar;
3)   Professor@s da EBD – finalmente, mas não menos importantes, nosso reconhecimento aos professor@s da EBD – Escola Bíblica Dominical – irmãs e irmãos abnegados que instruem o povo de Deus nas Escrituras Sagradas (do maternal no DI, até a classe mista), e que têm ainda a sublime missão de acompanhar não somente o desenvolvimento conteudístico, mas o crescimento espiritual que atinge e influencia invariavelmente todas as demais áreas.

Parabéns Professor@s! Deus continue a abençoar-nos, no desempenho da nossa nobre Missão, e que nosso exemplo maior e inspiração continue sendo o Mestre de Nazaré, Jesus Cristo Nosso Senhor e Salvador.

Para a Glória dEle,

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial
Domingo, 19 de Outubro de 2014)


sábado, 11 de outubro de 2014

Crianças

Hoje se comemora o dia das crianças, e presentes são dados como expressão de amor, ou mesmo compensação pelas ausências, motivadas pela correria diária; nas escolas e centros de compras, ao longo da semana programações são feitas visando atrair este público, que tem papel importante em decisões tomadas pela família, sobretudo no quesito consumo.

A Igreja mantém um Departamento Infantil, com o serviço voluntário e abnegado de várias pessoas, que oferece às crianças instrução bíblica, em ambiente confortável e preparado para elas. Por outro lado, cultivam-se oportunidades – Santa Ceia e Cultos Matinais – para que pais e filhos participem do culto solene, e aprendam a bênção da adoração em família.

Convém lembrar o que ensinam os Princípios de Liturgia da Igreja Presbiteriana do Brasil sobre o dever dos pais, o Batismo de Crianças:

Art.11 - Os membros da Igreja Presbiteriana do Brasil devem apresentar seus filhos para o batismo, não devendo negligenciar essa ordenança.
§ 1º - No ato do batismo os pais assumirão a responsabilidade de dar aos filhos a instrução que puderem e zelar pela sua boa formação espiritual, bem como fazê-los conhecer a Bíblia e a doutrina presbiteriana como está expressa nos Símbolos de Fé.
§ 2º - A criança será apresentada por seus pais ou por um deles, no impedimento do outro, com a declaração formal de que desejam consagrá-la a Deus pelo batismo.
§ 3º - Os menores poderão ser apresentados para o batismo por seus pais adotivos, tutores, ou outras pessoas crentes, responsáveis por sua criação.
§ 4º - Nenhuma outra pessoa poderá acompanhar os pais ou responsáveis no ato do batismo das crianças a título de padrinho ou mesmo de simples testemunha.

A Confissão de Fé de Westminster também aborda a questão (CFW XXVIII):
IV. Não só os que professam a sua fé em Cristo e obediência a Ele, mas os filhos de pais crentes (embora só um deles o seja) devem ser batizados.
V. Posto que seja grande pecado desprezar ou negligenciar esta ordenança, contudo, a graça e a salvação não se acham tão inseparavelmente ligadas com ela, que sem ela ninguém possa ser regenerado e salvo os que sejam indubitavelmente regenerados todos os que são batizados.

VI. A eficácia do batismo não se limita ao momento em que é administrado; contudo, pelo devido uso desta ordenança, a graça prometida é não somente oferecida, mas realmente manifestada e conferida pelo Espírito Santo àqueles a quem ele pertence, adultos ou crianças, segundo o conselho da vontade de Deus, em seu tempo apropriado.
...

Que as famílias, especialmente os pais, estejam atentas ao cumprimento desse dever.

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, 12 de outubro de 2014)

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Dia de Eleições, Dia do Senhor



Caríssimos irmãos e irmãs,

Próximo dia 05 de outubro de 2014 nosso povo irá às urnas escolher governantes, devemos ter consciência da gravidade deste pleito, que requer de nós atenção redobrada nos comprometimentos ideológicos de cada candidato, e máxima atenção nos critérios na hora de sufragar o voto.

Mas, antes de ser dia de eleição, o dia 05 de outubro de 2014 é domingo, Dia do Senhor, e é nosso dever guardá-lo com reverência e santo temor. Tenho o privilégio de convidá-los para as programações daquele dia:

07h. Oração e Jejum Pela Pátria - clamemos aos céus pela intervenção divina, e nos preparemos espiritualmente para discernir e votar com responsabilidade;

09h. Celebração da Santa Ceia - Vamos celebrar nossa comunhão com a Igreja - que somos todos e cada um - e com o Senhor da Igreja.

18h. Celebração de Ação de Graças pela Vida do Rev. Abner Assis - Juntos vamos agradecer por mais um ano que o Senhor concede ao nosso Pastor Titular.

Venha Adorar a Deus conosco!!!

Igreja Presbiteriana Memorial
Rua Hercliano Pires, 201, Piedade
Jaboatão dos Guararapes - PE
(terceira paralela da Avenida Armindo Moura).

Fraterno abraço,


sábado, 20 de setembro de 2014

DEVERES E QUALIFICAÇÕES DO MINISTRO

5Por esta causa, te deixei em Creta, para que pusesses em ordem as coisas restantes, bem como, em cada cidade, constituísses presbíteros, conforme te prescrevi:
6alguém que seja irrepreensível, marido de uma só mulher, que tenha filhos crentes que não são acusados de dissolução, nem são insubordinados.
7Porque é indispensável que o bispo seja irrepreensível como despenseiro de Deus, não arrogante, não irascível, não dado ao vinho, nem violento, nem cobiçoso de torpe ganância;
8antes, hospitaleiro, amigo do bem, sóbrio, justo, piedoso, que tenha domínio de si,
9apegado à palavra fiel, que é segundo a doutrina, de modo que tenha poder tanto para exortar pelo reto ensino como para convencer os que o contradizem.
10Porque existem muitos insubordinados, palradores frívolos e enganadores, especialmente os da circuncisão.
11É preciso fazê-los calar, porque andam pervertendo casas inteiras, ensinando o que não devem, por torpe ganância.
12Foi mesmo, dentre eles, um seu profeta, que disse: Cretenses, sempre mentirosos, feras terríveis, ventres preguiçosos.
13Tal testemunho é exato. Portanto, repreende-os severamente, para que sejam sadios na fé
14e não se ocupem com fábulas judaicas, nem com mandamentos de homens desviados da verdade.
15Todas as coisas são puras para os puros; todavia, para os impuros e descrentes, nada é puro. Porque tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas.
16No tocante a Deus, professam conhecê-lo; entretanto, o negam por suas obras; é por isso que são abomináveis, desobedientes e reprovados para toda boa obra.

(Carta do Apóstolo Paulo ao jovem Pastor Tito – Tito 1.5-16)


[Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, 
21 de Setembro de 2014]

sábado, 13 de setembro de 2014

Domingo na Memorial, 14 Set. 2014

Venha adorar a Deus conosco!

09h. Culto Dominical
Prédica “Estilos Pessoais de Evangelização: Confrontacional e Intelectual”
Rev. Alfrêdo Oliveira

10h. EBD – Escola Bíblica Dominical
                Estudo Bíblico: “Êxodo: um povo obstinado. Deus ensina seu povo, apesar de sua oposição”

18h. Culto de Adoração e Louvor
                Mensagem Bíblica “O Tríplice Exemplo de Jesus Cristo” – Mateus 9.35-37

                Rev. Alfrêdo Oliveira

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

QUALIFICAÇÕES BÍBLICAS PARA BISPOS E DIÁCONOS

1Fiel é a palavra: se alguém aspira ao episcopado, excelente obra almeja.
2É necessário, portanto, que o bispo seja irrepreensível, esposo de uma só mulher, temperante, sóbrio, modesto, hospitaleiro, apto para ensinar; 3não dado ao vinho, não violento, porém cordato, inimigo de contendas, não avarento;
4e que governe bem a própria casa, criando os filhos sob disciplina, com todo o respeito 5(pois, se alguém não sabe governar a própria casa, como cuidará da igreja de Deus?);
6não seja neófito, para não suceder que se ensoberbeça e incorra na condenação do diabo.
7Pelo contrário, é necessário que ele tenha bom testemunho dos de fora, a fim de não cair no opróbrio e no laço do diabo.
8Semelhantemente, quanto a diáconos, é necessário que sejam respeitáveis, de uma só palavra, não inclinados a muito vinho, não cobiçosos de sórdida ganância, 9conservando o mistério da fé com a consciência limpa.
10Também sejam estes primeiramente experimentados; e, se se mostrarem irrepreensíveis, exerçam o diaconato.
11Da mesma sorte, quanto a mulheres, é necessário que sejam elas respeitáveis, não maldizentes, temperantes e fiéis em tudo.
12O diácono seja marido de uma só mulher e governe bem seus filhos e a própria casa.
13Pois os que desempenharem bem o diaconato alcançam para si mesmos justa preeminência e muita intrepidez na fé em Cristo Jesus.


(Carta do Apóstolo Paulo ao jovem Pastor Timóteo –1 Timóteo 3.1-13)

(A Constituição da Igreja Presbiteriana do Brasil em seu artigo 30 Parágrafo Único, esclarece: Os títulos que a Sagrada Escritura dá ao ministro, de Bispo, Pastor, Ministro, Presbítero ou Ancião, Anjo da Igreja, Embaixador, Evangelista, Pregador, Doutor e Despenseiro dos Mistérios de Deus, indicam funções diversas e não graus diferentes de dignidade no ofício.)

Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, em 14 de setembro de 2014

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

PRIMEIRO DOMINGO NA MEMORIAL



07:00h. Jejum e Oração;
09:00h. Culto Cívico com celebração da Santa Ceia;
Mensagem Bíblica - Rev. Alfrêdo Oliveira
"Paz Apesar das Feridas" - João 20.19-23
18:00h. Culto de Gratidão a Deus pelos 28 anos da ACBV - Academia Cristã de Boa Viagem.
Mensagem Bíblica - Rev. Abner Assis


Venha e traga convidados!


Igreja Presbiteriana Memorial
Rua Hercliano Pires, 201, Piedade; Jaboatão dos Guararapes - PE
(terceira paralela da Avenida Armindo Moura, próximo do COMAR 2)

domingo, 31 de agosto de 2014

Presbíteros e Diáconos


Art. 50. O Presbítero Regente é o representante imediato do povo, por este eleito e ordenado pelo Conselho, para, juntamente com o pastor, exercer o governo e a disciplina e zelar pelos interesses da igreja a que pertencer, bem como pelos de toda a comunidade, quando para isso eleito ou designado.
Art. 51. Compete ao presbítero:
a) levar ao conhecimento do Conselho as faltas que não puder corrigir por meio de admoestações particulares; b) auxiliar o pastor no trabalho de visitas; c) instruir os neófitos, consolar os aflitos e cuidar da infância e da juventude; d) orar com os crentes e por eles; e) informar o pastor dos casos de doenças e aflições; f) distribuir os elementos da Santa Ceia; g) tomar parte na ordenação de ministros e oficiais; h) representar o Conselho no Presbitério, este no Sínodo e no Supremo Concílio.
Art. 52. O presbítero tem nos concílios da igreja autoridade igual à dos ministros.
Art. 53. O diácono é o oficial eleito pela igreja e ordenado pelo Conselho, para, sob a supervisão deste, dedicar-se especialmente:
a) à arrecadação de ofertas para fins piedosos; b) ao cuidado dos pobres, doentes e inválidos; c) à manutenção da ordem e reverência nos lugares reservados ao serviço divino; d) exercer a fiscalização para que haja boa ordem na Casa de Deus e suas dependências.
Art. 54. O exercício do presbiterato e do diaconato limitar-se-á ao período de cinco anos, que poderá ser renovado.
§ 1º. Três meses antes de terminar o mandato, o Conselho fará proceder a nova eleição.
§ 2º. Findo o mandato do presbítero e não sendo reeleito, ou tendo sido exonerado a pedido, ou, ainda, por haver mudado de residência que não lhe permita exercer o cargo, ficará em disponibilidade, podendo, entretanto, quando convidado:
a) distribuir os elementos da Santa Ceia; b) tomar parte na ordenação de novos oficiais.
Art. 55. O presbítero e o diácono devem ser assíduos e pontuais no cumprimento de seus deveres, irrepreensíveis na moral, sãos na fé,
prudentes no agir, discretos no falar e exemplos de santidade na vida.
Art. 56. As funções de presbítero ou de diácono cessam quando:
a) terminar o mandato, não sendo reeleito; b) mudar-se para lugar que o impossibilite de exercer o cargo; c) for deposto; d) ausentar-se sem justo motivo, durante seis meses, das reuniões do Conselho, se for presbítero e da Junta Diaconal, se for diácono; e) for exonerado administrativamente ou a pedido, ouvida a igreja.                     
Art. 57. Aos presbíteros e aos diáconos que tenham servido satisfatoriamente a uma igreja por mais de vinte e cinco anos, poderá esta, pelo voto da assembleia, oferecer o título de Presbítero ou Diácono Emérito, respectivamente, sem prejuízo do exercício do seu cargo, se para ele forem reeleitos.
Parágrafo único. Os presbíteros eméritos, no caso de não serem reeleitos, poderão assistir às reuniões do Conselho, sem direito a voto.
Art. 58. A Junta Diaconal dirigir-se-á por um regimento aprovado pelo Conselho.

(Extraído da Constituição da Igreja Presbiteriana do Brasil
e publicado no Boletim Dominical da IPM, 31 de Agosto de 2014)




quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Ministros do Evangelho


Art.30 - O Ministro do Evangelho é o oficial consagrado pela Igreja, representada no Presbitério, para dedicar-se especialmente à pregação da Palavra de Deus, administrar os sacramentos, edificar os crentes e participar, com os presbíteros regentes, do governo e disciplina da comunidade.
Parágrafo Único- Os títulos que a Sagrada Escritura dá ao ministro, de Bispo, Pastor, Ministro, Presbítero ou Ancião, Anjo da Igreja, Embaixador, Evangelista, Pregador, Doutor e Despenseiro dos Mistérios de Deus, indicam funções diversas e não graus diferentes de dignidade no ofício.
Art.31 - São funções privativas do ministro:
a) administrar os sacramentos;
b) invocar a bênção apostólica sobre o povo de Deus;
c) celebrar o casamento religioso com efeito civil;
d) orientar e supervisionar a liturgia na Igreja de que é pastor.
Art.32 - O ministro, cujo cargo e exercício são os primeiros na Igreja, deve conhecer a Bíblia e sua teologia: ter cultura geral; ser apto para ensinar e são na fé; irrepreensível na vida; eficiente e zeloso no cumprimento dos seus deveres; ter vida piedosa e gozar de bom conceito, dentro e fora da Igreja.
Art.33 - O ministro poderá ser designado pastor-efetivo, pastor-auxiliar, pastor-evangelista e missionário.
...
Art.36 - São atribuições do ministro que pastoreia Igreja:
a) orar com o rebanho e por este;
b) apascentá-lo na doutrina cristã;
c) exercer as suas funções com zelo;
d) orientar e superintender as atividades da Igreja, a fim de tornar eficiente a vida espiritual do povo de Deus;
e) prestar assistência pastoral;
f) instruir os neófitos, dedicar atenção à infância e à mocidade, bem como aos necessitados, aflitos, enfermos e desviados;
g) exercer, juntamente com os outros presbíteros, o poder coletivo de governo.

(Extraído da Constituição da Igreja Presbiteriana do Brasil 
e publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial em 24 de agosto de 2014)



sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Jesus Como Evangelista


O nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, depois de ressuscitado e antes de ascender aos céus, nos ordenou ir e pregar o Evangelho a toda criatura. Essa ordem foi dada por alguém que em Sua vida exemplificou como deveríamos viver as nossas. O Dr. Scheibel em seu livro “Conquistando Como o Mestre, indo ao encontro das pessoas como Jesus fazia.” aponta algumas das características de Jesus como Evangelista, que passamos a apresentar, com leves adaptações:

Jesus Ia ao Encontro das Pessoas
Jesus, ao comunicar Sua mensagem, considerava as circunstâncias de cada pessoa. Essa postura refletia-se em suas ações, que legitimavam, e tornavam concretos os seus ensinos, sem gerar incongruências. As ações do emissor são fundamentais para a acolhida da mensagem. Ele vivia o que pregava aproximando-se das pessoas, e ilustrando com eventos cotidianos verdades profundas.

Jesus Comunicava com Simplicidade
Jesus foi um exímio comunicador, Ele era claro e objetivo. Algumas vezes, em várias situações, utilizou o confronto como recurso didático, (Mt. 23.13); outras vezes empregava um jogo de palavras exprimindo conceitos opostos.
A reinterpretação, poderosa forma de comunicação, também foi utilizada pelo Senhor, assim como, as perguntas e contra perguntas, e os paradoxos. Ao comunicar-se, Jesus encorajava e consolava os seus ouvintes.

Jesus Falava ao Ser Humano Todo
Todo o Evangelho ao homem todo. A mensagem de Jesus Cristo alcançou as várias dimensões do ser humano, sem negligenciar nenhum aspecto.

Discípulos e discípulas de Jesus Cristo têm diante de si o desafio de seguir o exemplo do Mestre em tudo, inclusive na evangelização.


Soli Deo Gloriæ!

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, 17 Ago. 2014)

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Dia dos Pais - Lembremos do PAI dos Pais


O segundo domingo de agosto é considerado no calendário brasileiro o dia dos pais, ocasião em que eles são homenageados de várias formas. Em nossa Igreja começamos o domingo com um delicioso café da manhã feito especialmente para eles.


Sejamos gratos ao Senhor pelos homens que tem se colocado a serviço do Senhor governando com sabedoria as suas famílias, conduzindo-as em uma jornada de fidelidade ao Senhor.


Aqui temos homens valorosos que dirigem suas famílias, e convocados pelo Senhor, atuam na Igreja como Pastores, Presbíteros, Diáconos, Professores, servos que buscam fazer a vontade de Deus, no tempo corrido em que vivem.


Ser pai é um grande privilégio, e traz consigo grandes responsabilidades. O pai é responsável não apenas pela provisão material do lar, mas sobretudo pela provisão do alimento e direção espirituais. Pais, sejamos fieis ao Senhor zelando pela vida espiritual dos nossos queridos. As outras ocupações não podem nos fazer negligenciar o que deve ocupar o primeiro lugar (Mateus 6.33).


A sociedade moderna sofre as conseqüências do distanciamento de Deus, e este distanciamento é reflexo, e se reflete, na omissão dos homens em exercer o papel designado pelo Senhor nas Escrituras Sagradas, o que tem contribuído para a decadência da civilização ocidental, que já começa a se rotulada de poscristã.


Ao comemorarmos o dia dos pais, e homenagearmos estes homens, lembremos sobretudo do Pai dos pais, para amá-Lo sobre todas as coisas, servi-lo com fidelidade e dedicação, buscando uma vida de obediência atentos ao que Ele requer de nós.


Soli Deo Gloriæ!

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, 10 de agosto de 2014)

domingo, 27 de julho de 2014

IPB - Identidade Visual




Nova logomarca da IPB aprovada no SC - IPB. Lembrando que a logo foi alterada para não mais violar as disposições constantes na Pergunta 109 do Catecismo Maior de Westminster.

SAIBA PORQUE MUDOU A LOGOMARCA......SC-E/IPB-2010 - DOC. LX - Quanto aos documentos 233, 237, 240 - Oriundos do(a): Sínodo Piratininga; Sínodo Piratininga; Sínodo Piauí - Ementas: Consulta sobre Harmonização da logomarca da IPB, os Símbolos de fé da IPB e a Bíblia Sagrada; Consulta e Revogação de Decisão sobre a Logomarca da IPB; Sugestão quanto a mudança da Logomarca da IPB - Símbolo da Sarça e da Pomba. O SC-E/IPB - 2010 RESOLVE: 1. Não atender o pedido de revogação anterior. 2. Que não pode haver na Logomarca da IPB nenhuma representação das Pessoas da Trindade, de acordo com a pergunta 109 do Catecismo Maior de Westminster e resolução SC-58-100. 3. Enviar para a APECOM para que elabore uma nova proposta gráfica e encaminhe para o SC 2014. 4. Que o assunto final seja resolvido no SC 2014.


Downloads podem ser feitos no link http://www.ipb.org.br/downloads







quinta-feira, 24 de julho de 2014

A Propósito da Morte

Ontem recebi a notícia da morte de Ariano Suassuna, e diante da morte, todos somos confrontados com o inevitável, e a sabedoria humana, tecnologia e demais recursos se mostram frágeis e passageiros.

Entre os vários pensamentos de Ariano que circulam na mídia, um em especial, veiculado no perfil do Diário de Pernambuco em uma rede social, me chamou a atenção:

"É claro que, objetivamente, eu sei que vou morrer. Não sei se você já notou, mas nenhum de nós acredita que morre, o que é uma bênção. A gente se porta a vida toda como se nunca fosse morrer, o que é muito bom. Porque se a gente for pensar na morte como uma coisa fundamental, inevitável e próxima, a gente vai perder o gosto de viver, vai perder o gosto de tudo. Pensar que vai morrer prejudica um pouco a qualidade de vida, e eu sou um apaixonado pela vida, amo profundamente a vida. Olhe que essa maldita tem me maltratado, mas eu gosto dela.
...
SUASSUNA, Ariano. 
"

Quando Ariano escreveu este texto, ele expressou o entendimento da realidade da vida para o homem natural, que espera somente nesta e para esta vida. Com os cristãos não pode ser assim!

Objetivamente sabemos que vamos morrer, mas temos a certeza de que a morte não é o fim. E a nossa vida inteira deve ser vivida, tendo em perspectiva de que quando a hora da morte chegar, aí é que realmente viveremos, porque desfrutaremos da eternidade com o Senhor que venceu a morte, o mal e as trevas ressuscitando ao terceiro dia, e garantindo a nossa ressurreição.

A realidade da morte deve despertar-nos para uma vida mais intensa, e em preparação para a vida eterna. 

Quando o cristão pensa na morte, ele é desafiado a melhorar sua qualidade de vida, e viver tendo em perspectiva a eternidade para a qual foi criado, e pela qual a alma humana anseia.

Vivamos, e vivamos intensamente cada dia, certos de que o dia da morte chegará, e deve ser encarado à sombra da cruz, iluminado pelo luz que vem do túmulo vazio.

Fraterno abraço,

domingo, 20 de julho de 2014

Crianças São Herança do Senhor


O DI – Departamento Infantil –, contando com o reforço de voluntários, realiza mais uma Escola Bíblica de Férias. Momentos preciosos, quando, aproveitando as férias escolares, oferecemos uma programação especial para as crianças.

Nossa Igreja leva a sério o trabalho com os pequenos, e para isso mantém em funcionamento o DI. Dominicalmente as crianças participam da abertura da EBD no Santuário, para em seguida serem conduzidas às classes, onde aprendem verdades bíblicas em material especialmente preparado para elas. À noite, participam do início do culto e depois sobem para atividades no DI.

Como pais, e mães, lembremos que o DI não é um “depósito de crianças”, nem parque de diversões, onde as crianças ficam alojadas para que cultuemos, mas um local onde elas aprendem sobre Deus, e também a como se comportar no culto solene.

Nosso compromisso é fazer um DI melhor a cada dia. Louvamos a Deus pela vida daqueles que estão se empenhando nesta tarefa. Convidamos a todos que se sentirem chamados por Deus a que se apresentem para capacitação e trabalho.

Entendemos que as crianças precisam de convivência no Santuário, cultuando com as famílias sob a supervisão dos pais. Afinal, o culto é uma atividade que deve ser executada em família, e na Bíblia não temos cultos segmentados por idade. A responsabilidade primeira pela instrução e disciplina das crianças é dos pais, que devem aprender a exercitá-las, inclusive nos cultos. Nem sempre é fácil, mas é necessário. A Igreja deve colaborar com os pais nesta tarefa, para que colhamos frutos em vidas consagradas ao Senhor.

Precisamos sacrificar um pouco nosso conforto para que nossos filhos adorem conosco, e aprendam como fazê-lo vendo nosso exemplo, e mais adiante tragam nossos netos. O fato é que, algumas crianças ainda não sabem se comportar em um culto, mas com a Graça de Deus e a nossa colaboração elas aprenderão.

As crianças precisam presenciar a administração dos sacramentos, como aconteceu domingo.“A graça da fé, pela qual os eleitos são habilitados a crer para a salvação das suas almas, é a obra que o Espírito de Cristo faz nos corações deles, e é ordinariamente operada pelo ministério da palavra; por esse ministério, bem como pela administração dos sacramentos e pela oração, ela é aumentada e fortalecida.” (CFW XIV.I);

Privar crianças de momentos no Santuário é correr o risco de vê-las sem qualquer familiaridade com o culto solene, e o pior, vê-las sair diretamente do DI para as ruas, por não terem vivência no Santuário. Há igrejas com gerações perdidas, porque os filhos não foram instruídos a participar dos cultos, e se tornaram estranhos em suas Igrejas.

Ver os pais participando dos cultos instrui as crianças de maneira poderosa, as crianças aprendem com o exemplo que vêem em nós. Sejamos fieis mordomos da herança que o Senhor nos tem confiado.

Soli Deo Gloriæ!

Alfrêdo Oliveira

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial em 20 de Julho de 2014)


quarta-feira, 2 de julho de 2014

EBF - Escola Bíblica de Férias


"Ganhar crianças é o melhor investimento. Mesmo que façamos tudo o que pudermos com as pessoas convertidas no final da vida, nunca poderemos tirar muito delas. Ficamos muito felizes com elas; mas aos setenta anos, o que sobra, mesmo que vivam uns dez anos mais? Treine uma criança e ela pode ter cinquenta anos de serviço sagrado para realizar". (Charles Spurgeon)

Louvado seja Deus pela disponibilidade dos Seus filhos e filhas.





sexta-feira, 27 de junho de 2014

Compromisso?!?!

Compromisso é uma palavra que está em desuso, e uma atitude mais difícil ainda. Vive-se a época da falta de compromisso. Reclamam-se direitos, mas esquecem-se deveres.

Faz-se necessário trazer à memória os compromissos assumidos com Deus e Sua Igreja, de forma especial quando da admissão à comunhão da Igreja. Destaque-se o testemunho pessoal, freqüência aos cultos, sustento financeiro, e submissão à disciplina.

TESTEMUNHO PESSOAL – responsabilidade de cada cristão, pela evangelização do mundo, em cumprimento à grande comissão (Mt.28.18ss). Evangelizar é dever de todo crente, visando à expansão do Reino, e ao crescimento da igreja! Testemunho Pessoal é praticado no dia a dia. Parte deste testemunho inclui trazer convidados aos cultos.

FREQUÊNCIA E PARTICIPAÇÃO NOS CULTOS – cada membro da Igreja tem a responsabilidade de participar de suas atividades regularmente (Hb.10.25). É plano de Deus a celebração comunitária. Ele está presente sempre, e não apenas aos domingos. Comunitariamente deve-se exercitar a adoração, a confissão, dedicação, proclamação, o que ocorre através dos cultos que a Igreja mantém dominicalmente, e ao longo da semana. Cada membro da Igreja precisa participar ativamente dos cultos que ela promove.

SUSTENTO FINANCEIRO – contribuir regularmente com a Igreja (Ml.3.6ss). A Igreja é mantida pela contribuição voluntária dos seus membros (2 Co. 9.7,8). As despesas são pagas com esses recursos e a plantação e manutenção de igreja também; não são recebidos subsídios externos, e a administração dos recursos é acompanhada pelo Conselho da Igreja, e anualmente informada à Assembléia de Membros. A participação financeira é um dos deveres do cristão.

SUBMISSÃO À DISCIPLINA – quando se dá o ingresso na Igreja, assume-se sob juramento, o compromisso de submissão e obediência ao seu governo e disciplina (Rm.13; Tt.3.1). Esses juramentos não podem ser esquecidos, nem negligenciados.

Que sejam cumpridos os compromissos assumidos com Deus e a Igreja.


Soli Deo Gloriæ!

(Publicado no Boletim Dominical da IPM, 29 Jun. 2014)

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Aniversário da Igreja Presbiteriana Memorial


Aniversário da IPM

05/07 às 19:00h
Culto Evangelístico
Pregador Rev. Alfrêdo Oliveira

06/07 às 09:00h. 
Santa Ceia

06/07 às 18:00h.
Culto Evangelístico
Pregador Rev. Abner Assis

VENHA E TRAGA CONVIDADOS!!!

quinta-feira, 12 de junho de 2014

FOMOS TODOS CONVOCADOS II!


Em clima de Copa do Mundo, observa-se a realização de jogadores que foram convocados para representar seus países vestindo a camisa das seleções. Os olhares do mundo se voltam para eles, e existe uma preocupação de cada um para apresentar o melhor futebol, e desenvolver bem suas habilidades, são goleiros, laterais, zagueiros, volantes, atacantes, pontas, alas, enfim, dependendo das estratégias de cada técnico. Além destes, existem as equipes nos bastidores para que tudo funcione adequadamente, e para que os times tenham um bom desempenho em campo.

Na Seleção de Jesus Cristo Fomos Todos Convocados! A escalação foi feita pelo Senhor, quando nos deu a Grande Comissão, e as posições foram determinadas quando o Espírito Santo distribuiu dons com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo, (Efésios 4.12). Como eleitos, selecionados pelo Senhor, somos convocados à Arena da Vida para compartilhar o Evangelho através das nossas vidas, palavras, atitudes e ações. Os olhares do mundo estão voltados para o desempenho da Seleção de Deus – a Igreja – que neste mundo deve ser sal e luz (Mateus 5.13-16). Precisamos buscar o nosso fortalecimento através da edificação de uma Igreja doutrinariamente sólida, para que cada um desempenhe o serviço para o qual foi convocado, cada um na sua posição, no Ministério designado pelo Senhor, no exercício dos dons espirituais recebidos, capacitados pelo Espírito Santo.

A diferença entre nós e as seleções que disputam o mundial é que o Mestre já nos assegurou a vitória com Sua vida, morte e ressurreição. Nossa convocação é para fazer esse anúncio ao mundo. A nós compete ir fazer discípulos, batizar em nome da Trindade Santíssima e ensinar a guardar todas as ordens do Salvador, na certeza de que não estamos sozinhos (Mateus 28.19, 20).

Fomos Todos Convocados! Ele está conosco! “Não é dos fortes a vitória, Nem dos que correm melhor. Mas dos fiéis e sinceros Que seguem junto ao Senhor!” (Hinário Novo Cântico 49, estribillho).

Soli Deo Gloriæ!

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial, 15 de junho de 2014)


quarta-feira, 4 de junho de 2014

FOMOS TODOS CONVOCADOS!


Em época de copa do mundo, em que pesem implicações políticas, e a inevitável lembrança da estratégia romana do “pão e circo” como instrumento de alienação do povo, o fato é que existe uma curiosidade quase compulsiva para saber quem são os escalados das várias seleções, e qual será o desempenho deles.

Neste contexto surge o tema da mobilização iniciada na UPH (União Presbiteriana de Homens) e abraçada pelo SC-IPB (Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil) como um desafio para toda a Igreja: Fomos Todos Convocados!

A convocação é uma realidade desde os tempos bíblicos, quando o Senhor Jesus Cristo legou-nos a Grande Comissão. Fomos Todos Convocados! Não há exceções, nenhum discípulo de Jesus Cristo está fora da seleção escalada pelo próprio Deus para entrar na Arena da Vida, e compartilhar o Evangelho da Salvação pela Graça.

A IPB preparou um milhão de biblinhas, e elas deverão ser distribuídas pelos Presbiterianos do Brasil no período da Copa do Mundo. Não estamos falando das arenas de futebol, porque a FIFA estabeleceu o raio de três quilômetros ao redor dos estádios que só poderá ser ultrapassado por quem tiver ingressos para os jogos. O material preparado pela IPB será distribuído no entorno dos templos presbiterianos, das nossas residências e locais de trabalho.

Aproveitando a mobilização da época, devemos encarar todas as oportunidades para distribuir literatura, falar de Jesus Cristo, e convidar pessoas para participarem das atividades da Igreja. Este esforço está sendo feito pelos cristãos em geral, que semearão e colherão para a glória de Deus, e como Presbiterianos do Brasil não podemos nos omitir.

Fomos Todos Convocados! Que o Senhor nos desperte para o cumprimento desta tarefa.


Soli Deo Gloriæ!

(Texto a ser publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial em 08 Jun. 2014)

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Encerramento do Mês da Família

Próximo domingo, 25 Mai. 2014, encerraremos o mês da família com a seguinte programação:


09:00h. Culto de Adoração e Louvor com um Painel abordando o tema “Pastoreando o Coração da Criança”, encerrando a série de estudos do mês, traga suas perguntas.


18:00h. Culto de Adoração e Louvor, quando teremos como pregador o Presbítero Paul Mills da Twynholm Baptist Church, (http://www.twynholm.org/) Igreja que enviou ao Brasil os Missionários Pastor Adrian e Judith Stewart.


Venha e traga convidados!

Igreja Presbiteriana MemorialRua Hercliano Pires, 201, Piedade, Jaboatão dos Guararapes – PE(terceira paralela da Avenida Armindo Moura, próximo ao COMAR 2)