Translate

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Natal: fantasia ou realidade?

Natal... Casas decoradas, presentes trocados, o comércio investe alto no marketing e na propaganda, programações especiais acontecem nas Igrejas... o que é o Natal: uma fantasia ou uma realidade?
Por fantasia entende-se criação da imaginação, sonho, ficção. Por realidade entende-se aquilo que existe efetivamente...

Se o Natal é vivido como um momento utópico, onde as fantasias de consumo atingem seu grau mais elevado com o consentimento e incentivo expresso da sociedade e da família, levando as pessoas a gastarem em coisas desnecessárias o tão suado décimo terceiro (aqueles que têm o privilégio de tê-lo), então o Natal é uma fantasia que janeiro irá revelar... Se o Natal é vivido apenas como uma série de eventos, inclusive religiosos, que falam do neném da manjedoura, mas não compreendem a Sua missão... O Natal é fantasia.

Se o Natal é visto e vivido como um momento de doação de si mesmo e dos seus recursos, tendo em mente o exemplo dado pelo próprio Deus, que entregou o Seu Filho para resgatar a dignidade da humanidade, então o Natal é realidade. Se no Natal conseguimos, pelos olhos de Jesus Cristo, olhar para o próximo como irmão, e com a ternura de Deus o amamos como a nós mesmos, então o Natal é realidade e não apenas a fantasia de uma festa momentânea.

Para os discípulos e discípulas de Jesus Cristo, o Natal não pode ser apenas a fantasia de um momento, de uma data convenientemente marcada no calendário, e que de fato, não é a data do nascimento do de Jesus. O Natal não pode se restringir a festas passageiras, ou a amigos secretos (que algumas vezes não são nem amigos, nem secretos). O Natal precisa ser a realidade de uma vida vivida em amor, pelo amor, e no amor de Deus nosso Pai que, ao presentear-nos com Jesus Cristo, nos deu a possibilidade real de uma reconciliação entre a raça humana, o universo criado, e o Deus Criador. O Natal há de ser mais do que um momento, deve ser uma amostra do amor que sentimos de Deus, e que nos inunda e impulsiona a amar.

Natal: fantasia ou realidade? A resposta é pessoal, porque passa pela forma como encaramos a vida, a nós mesmos, o outro, a sociedade, e o próprio Deus.

Que neste Natal não sejamos iludidos e escravizados pelas fantasias, mas que possamos sentir e transmitir o amor de Deus, que é real, e que deve ser realidade em nossas vidas e na vida irmãos e irmãs pelos quais Jesus Cristo foi enviado ao mundo.


Solus Christus! Soli Deo Gloria!
Postar um comentário