Translate

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

A“Coisificação” das Pessoas

 
Fomos criados à imagem e semelhança de Deus (Gn. 1.27), e a promoção da dignidade humana deve ser uma das preocupações das mulheres e homens regenerados que compomos a Igreja. Entre os seres criados por Deus na Terra, o humano tem a primazia, e a responsabilidade dela decorrente. Deus nos criou e somos alvo do amor do Pai (João 3.16), e esse amor dever permear os nossos relacionamentos.

Por outro lado, coisas foram criadas pelo ser humano para atenderem às necessidades, para serem usadas e descartadas quando não servirem mais, e substituídas por outras coisas.

Quando as pessoas são usadas e descartadas, elas são “coisificadas”. Geralmente, os que assim procedem amam os objetos de tal forma, que deixam de enxergar o próximo e suas necessidades. O amor às coisas é uma das terríveis marcas dos dias atuais, e que embora praticado por muitos, até chamados cristãos, é uma afronta ao ideal de Deus para nós e a fraternidade vivida por Jesus Cristo, que deve ser o nosso objetivo.

A coisificação das pessoas acontece quando ignoramos o semelhante, e o vemos simplesmente como meio para alcançarmos nossos propósitos. Há pessoas que só enxergam outras quando é conveniente, ou quando delas precisam.

A vida cristã – seguir a Jesus Cristo – inclui a vivência do amor fraternal. Pessoas não são objetos para serem usados. Pessoas devem ser amadas e respeitadas!

Que entre nós pessoas sejam tratadas como imagem e semelhança de Deus, e as coisas sejam usadas não o inverso.

Ad Majorem Dei Gloriam! (Para a maior glória de Deus)

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial em 18 Jan. 2015)


Postar um comentário