Translate

terça-feira, 3 de maio de 2016

A Boca Fala...


“Raça de víboras, como podeis falar coisas boas sendo maus? 
Porque a boca falado que está cheio o coração”.
Jesus CristoMateus 12.34

O Senhor Jesus Cristo, ao discorrer sobre a árvore e seus frutos, legou-nos o precioso dito “a boca falado que está cheio o coração”. Este e outros versículos nos instruem a cultivar um coração puro (Salmo 51.10), ter cuidado com o uso da língua (Tiago 3), pois dela procedem bênçãos e maldições (Tiago 3.9, 10), e que prestaremos contas de todas as palavras que proferirmos.

O fato é que estes ensinos têm sido sistematicamente negligenciados, na medida em que não atentamos para a realidade que as palavras revelam mais sobre nós mesmos, do que sobre quem, ou o que, falamos. Palavras descortinam nosso interior. A questão não é simplesmente policiar palavras, mas, cultivar o coração que as palavras revelarão, o que implica olharmos o mundo pelas lentes de Jesus Cristo, construir uma cosmovisão genuinamente bíblica, e não termos sobre nós conceito maior do que convém (Romanos 12.3), lembrando sempre que a soberba precede a ruína (Provérbios 16.18), e é a soberba que nos faz depreciar o próximo com críticas contumazes e impiedosas, contrariando o Evangelho.

Em dias de comunicações eletrônicas instantâneas, pessoas expõem seu interior sob a ilusão de uma anomia virtual, que revela seres alienados de corações vazios, antiéticos, aéticos e sem conhecimento bíblico, ou intimidade com Deus.

Ao lembrarmos que “a boca falado que está cheio o coração”devemos cultivar o nosso interior, e observar o que transbordará em nossas conversas e postagens (facebook, instagram, whatsapp, twiter...).É tempo de analisar o que temos revelado em nossas comunicações, e se for o caso, mudarmos, adotando uma postura edificante e reflexiva.


Que digamos como o salmista “De boas palavras transborda o meu coração. Ao Rei consagro o que compus; a minha língua é como pena de habilidoso escritor” (Salmo 45.1).


Soli Deo Gloriæ!

(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial em 1º de Maio de 2016)
Postar um comentário