Translate

domingo, 3 de janeiro de 2010

Visite o Recife antes que desapareça

Compartilho esta interessante postagem do site do Raul Jungmann:

V Conferência da ONU Sobre Mudança do Clima

Postado às 7:06h

Foi um choque. Numa das principais praças de Copenhague, no centro de uma exposição dedicada a 100 lugares para serem visitados antes que desapareçam, um painel com o Recife e uma foto da praia de Boa Viagem!

Na praça, agora coberta de neve, as pessoas fazem fila e tiram foto dessa exposição realizada por uma ong dinamarquesa com base nos relatos do IPCC, o painel técnico da ONU sobre mudanças climáticas, que conta com mais de 2.500 cientistas.

Pergunto a um dos organizadores o porquê da escolha do Recife como um dos 100 lugares no mundo a se visitar antes que desapareça, fruto das mudanças climáticas.

Ele me responde singelamente que a escolha deriva de dois fatos. Os relatórios técnicos do IPCC sobre os riscos para cidades costeiras, e a situação particularmente crítica do Recife. E, em segundo lugar, a importância, história e população da nossa capital.

Converso mais um pouco com ele, compro o álbum de fotos para mostrar ai no Recife quando chegar e saio da tenda armada no meio da praça de volta à neve e ao frio intenso.

Incrédulo, volto ao painel no meio da neve e o fotografo. Acho um absurdo, mas está lá. Somos o número 18 entre 100 localidades que, dizem eles, devem desaparecer.

Releio o texto em inglês abaixo da grande foto de Boa Viagem. Ele fala um pouco das nossas origens, história, cultura. E destaca que tivemos a primeira sinagoga das américas, durante o período nassoviano.

Sinceramente, não creio que iremos desaparecer. Me recuso a crer, acreditar. Mas, que aquilo ali no meio da praça é um sinal, um alerta, sem sombra de dúvida que sim. independentemente de qualquer coisa mais. Nós estamos na mira.

Enquanto o mundo começa a nos encarar como uma espécie de Jurassic Park, não vemos o mundo. Melhor, nós estamos cegos para o mundo, para as mudanças que virão, que já não são uma possibilidade, mas uma realidade presente.



Raul Jungmann, de Copenhague

www.rauljungmann.com.br:80/?p=6833
Postar um comentário