Translate

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Pão e Circo 3


Prosseguindo a série de reflexões iniciadas no editorial do domingo 05/06/2016, sob a temática do panem et circenses – pão e circo – constatamos que parte do povo brasileiro ainda parece hibernar em uma sociedade onde falta pão e sobra circo.

Falta pão porque alimentos escassos na mesa, têm preços nas alturas fazendo com que o povo não se alimente adequadamente, ou mesmo passe fome com o aumento da pobreza e da miséria. Falta pão porque o desemprego cresce, derrubando os índices sociais e de desenvolvimento humano, enquanto o Estado deixa de cumprir seus deveres, e as verbas públicas escoam nos ralos da corrupção.

Sobra circo, porque o brasileiro celebra a tocha olímpica (que na Grécia antiga comemorava o roubo do fogo do deus grego Zeus por Prometeus); discute os “clássicos” do futebol; gasta fortunas em festas como o carnaval; deixando-se embalar por eventos esportivos milionários que funcionam como uma espécie de ópio que anestesia a consciência de uma nação que parece ter se acostumado com o cenário surrealista em que vive.

A prática esportiva é válida enquanto benéfica para a saúde, e atividade lúdica, não devendo se constituir em elemento alienante, ou instrumento de manipulação das massas ou oportunidade para desvio de verbas.

Sobra circo quando um povo ignorante das Escrituras Sagradas, em um ambiente religiosamente sincrético, se ilude com expressões pseudo religiosas que mercantilizam a fé, e endeusam personalidades consolidadas no merchandising das marcas, embaladas por palestras de autoajuda, sem perceber que o Eterno Deus se revelou em Sua Santa Palavra e à Escritura nada se acrescentará. “Profetadas” e “apostolices” ofendem a Deus, bem como, quando púlpitos são usados como plataformas de propagação de ideologias, e a genuína Mensagem Bíblica é negligenciada.

Que Deus tenha misericórdia do Brasil, e que a Igreja anuncie e testemunhe profeticamente o Evangelho da Paz e da Justiça.

Antes, corra o juízo como as águas; e a justiça, como ribeiro perene. Amós 5.24

Soli Deo Gloriæ!



(Publicado no Boletim Dominical da Igreja Presbiteriana Memorial em 19 de junho de 2016)
Postar um comentário